O Desdobramento

Voltar
O Desdobramento

As nossas últimas dezessete imagens, referem-se a um único tema, o desdobramento dos diferentes corpos, à semelhança do que ocorre nos fenômenos pertinentes ao sono e nos processos medianímicos.

Na imagem 89, na posição corpo inteiro em meio perfil, notamos o corpo físico associado ao duplo etérico, em azul, e mais afastado, o corpo astral, em rosa, associado ao mental, em amarelo, com os centros de força na superfície do corpo mental associados aos astrais. Já a 90, repete a figura anterior, com a diferença de mostrá-la em corpo inteiro e em perfil. A 91 e 92 são imagens espelhadas, dando enfoque aos cordões fluídicos que fazem a interação entre os corpos. A maioria das descrições são unânimes em retratar apenas o cordão de prata ou o fio de prata, ligando o campo cerebral físico e a duplicata etérica ou astral. Preferimos desdobrá-lo em outros dois, para ressaltar os fluxos mentais, emocionais e vitais, mas na estrutura de filamentos eles podem ser identificados em várias regiões corporais. Os cordões se assemelham muito ao cordão umbilical, porém com densidade muito mais sutil e variável de dimensão para dimensão. Na verdade, o cordão ou cordões são microtúbulos que mantém os fluxos primordiais entre os vários corpos, durante o processo de projeção:

"Instantes depois, divisei ao longe dois vultos enormes que me impressionaram vivamente. Pareciam dois homens de substância indefinível, semiluminosa. Dos pés e dos braços pendiam filamentos estranhos, e da cabeça como que escapava um longo fio de singulares proporções". (André Luiz, Nosso Lar, Cap. 33, pág. 182).

Todas as outras pranchas (93 a 105), em meio perfil, meio perfil dorsal, imagem espelhada, meio corpo, corpo inteiro, seguem o mesmo motivo, dando-nos a noção de distância e movimentação, e as possibilidades de atenuação do cordão ou cordões fluídicos que vão se sutilizando à medida que se efetiva o distanciamento do corpo físico e do corpo etérico. Quando o desdobramento ocorre com o duplo etérico agregado ao corpo astral e mental, não há afastamento significativo do sítio onde se situa o organismo físico:

"É imperioso notar, porém, que considerável número de pessoas, principalmente as que se adestraram para esse fim, efetuam incursões nos planos do Espírito, transformando-se, muitas vezes, em preciosos instrumentos dos Benfeitores da Espiritualidade, como oficiais de ligação entre a esfera física e a esfera extrafísica". (André Luiz, Mecanismos da Mediunidade, Cap. XXI, pág. 155).

Download completo do conteúdo