Agradecimentos

agradecimento _ampliadaApós 13 anos, desde as primeiras inspirações do Mundo Maior, trabalhamos constantemente na tentativa de realizar os passos iniciais do Instituto Brasileiro de Benemerência e Integração do Ser. Ao longo deste período, foram surgindo inúmeras oportunidades de aprendizagem, estudos, pesquisas, descobertas, debates, troca de experiências e contato com outras realidades. Deparamo-nos com idéias originais, descobrimos no abrangente mundo da universalidade do conhecimento, novos conceitos, mudando a nossa maneira de ver e de pensar. Desenvolvemos diferentes técnicas, somamos conhecimentos, buscando realizar uma síntese orgânica, unindo vários caminhos e sonhando com a possibilidade de um trabalho novo.

A proposta foi amadurecendo, e o planejamento do Instituto se enriquecendo, com a contribuição de vários amigos. Pensamos, avaliamos e discutimos inúmeras vezes, até que em 16 de Abril de 2007 fundamos o Instituto Brasileiro de Benemerência e Integração do Ser - IBBIS. A data foi escolhida, porque queríamos prestar uma singela homenagem ao nosso patrono espiritual: Francisco de Assis. Nesta data, no século XII, segundo alguns historiadores, Francisco teria fundado a sua ordem, com visão Cristocêntrica e destino Universalista, roteiro que gostaríamos também de percorrer, dentro das nossas limitações, sob a inspiração daquele que foi considerado o segundo Cristo.

O portal pretende ser um instrumento dinâmico de integração, unindo diferentes pessoas e visões em torno de um estudo sério e, tanto quanto possível, abrangente e completo. A idéia é materializar conceitos, unindo o que parece disperso, mostrando que as diferentes revelações, dadas através dos tempos, constituem peças de um grande quebra cabeça da unidade, que vai se formando, à medida que evoluímos. O ontem e o amanhã podem e devem ser agrupados e dimensionados no hoje, bastando que cortemos as arestas das interpretações unidirecionais, nascidas no leito raso dos condicionamentos pessoais e de grupos, que fazem com que os diferentes aspectos da verdade pareçam ser desconexos e inconciliáveis. O edifício é um só. A nossa natureza exclusivista é que nos leva a achar que determinado canto de uma das salas, desse imenso edifício, esgota e representa toda a verdade. Quanta luta, não só no campo das idéias, mas até física, não foram e não são empreendidas para defender e cuidar da pureza da verdade, como se a verdade por si só não se sustentasse, dispensando de antemão, todos os nossos ruídos para defendê-la. Um desses maiores ruídos é a polêmica:

"Quem polemiza, mesmo que seja para sustentar a mais sagrada das verdades, revela a sua natureza de involuído, que nunca consegue afastar-se do método do seu baixo nível evolutivo. Método errado, porque nunca alcança o seu objetivo. (...). E, de fato, o método da polêmica não representa uma procura da verdade, juntando esforços para a encontrar, mas é uma peleja para destruir a verdade do antagonista". (Pietro Ubaldi, Princípios de Uma Nova Ética, Capítulo II, p. 53).

Evitaremos toda e qualquer polêmica, não por sermos evoluídos e por termos superado o método da luta, mas, por princípio, porque o nosso maior objetivo é procurar a verdade, juntando esforços sem objetivar a destruição da verdade maior ou menor de qualquer possível antagonista. O nosso desiderato é oferecer ferramentas para um estudo mais amplo, principalmente um estudo voltado para nós mesmos, o auto conhecimento. Não pretendemos formar escola, nem constituir discipulado ou usar qualquer forma de imperialismo, mas queremos oferecer, ofertar o que temos e o que viermos a adquirir com o apoio e os esforços de todos:

"Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou". (Atos, 3:6).

A nossa atual situação coletiva, exige uma profunda reflexão e mudança de nossos pensamentos, crenças, hábitos, desejos, palavras e atos. O ser humano, apesar de todas as lutas, divisões e desequilíbrios, tem buscado, há séculos, algo que transforme a sua vida, que lhe ilumine, que lhe renove, que o resgate da rotina, do cansativo viver, dos problemas seqüenciais e das dificuldades, sociais. Uma esperança: a chama de uma nova era e um novo mundo. Um salto quântico coletivo para uma nova humanidade, que inaugure uma era de elevação, paz e felicidade. Os sopros sutis desse novo tempo, já se fazem sentir:

"Tende fé, tende certeza. A Nova Era vos aguarda. Na imensa luta, Cristo é o mais forte e Ele estará convosco e com todos aqueles que Nele crêem." (Pietro Ubaldi, Grandes Mensagens, Mensagem da Nova Era, p. 51)

"A fase mais elementar da fé sucedeu a fase mais avançada do conhecimento, com que se completa o Amor. E, com o conhecimento, Cristo retorna à Terra para realizar o Seu Reino, há vinte séculos fundado". (Pietro Ubaldi, Grandes Mensagens, Mensagem da Nova Era, p. 48)

A Nova Era que está surgindo, não irá se materializar por milagres. O milagre, bem entendido, é o conjunto de todos os esforços, na esteira do tempo. Desejamos fazer parte, dessa cota de suor, que cada milagre de transformação pede. Contamos iniciar pelo conhecimento e pela benemerência, para que outros, bem mais preparados, possam completar a onda irresistível do Amor, que permitirá a realização do Reino de Deus, também nos limites materiais do nosso mundo de escândalos e dores.

Agora estamos dando o primeiro passo ao lançar o nosso portal. Os primeiros passos são demorados e vacilantes e eles só foram dados graças aos amigos dos dois planos da existência. Amigos de lá e de cá. Na figura amorável e doce de Mãe Zeferina, gostaríamos de agradecer aos amigos da outra margem da vida e no reconhecimento dos esforços, dedicação, doação e desprendimento dos amigos João Domenciano, Adair Meira, Manoel Sérgio, Djalma Freitas, João Frazão, Mauro Chagas, Lenemar Ned, Leonardo Garcia e Lara Vilela, somos eternamente gratos aos companheiros da margem física da existência.

Uma caravana de colaboradores veio ao nosso encontro formando fileira. Colaboradores que se tornaram membros do grupo iniciante: Adauto Pereira, Aline Silva, Anderson Magalhães, Auriel Cristian, Dalva Pereira, Daniel Capanema, Estevão Crispim, Edilma Damasceno, Elson Santos, Fábio Ibiapina, Francisca Sousa, Gustavo Santana, Guaranaci Santana, Igor Estrela, José Carlos, Katiuscia Neri, Lesly Costa, Luciano Holanda, Marcus Paulo Torres, Shirley Pinheiro, Sonis Henrique Batista, Sueli Maria de Oliveira, Yuri Schmaltz, entre outros. No pouco que conseguimos realizar, tudo do que foi feito, foi feito por eles.

É difícil a gota agradecer ao oceano. No entanto, gostaríamos de externar o nosso agradecimento filial à Lei Divina, que tudo dirige, prevê e provê, ao Cristo amado, a Mãe Santíssima e a Francisco de Assis. Os pingos escuros agradecem por toda a claridade.

“É Proibido

 

É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.

 

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,
Não transformar sonhos em realidade.

 

É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.

 

É proibido deixar os amigos
Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.

 

É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,
Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.

 

É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,
Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.

 

É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,
Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se
desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.

 

É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,
Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.

 

É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,
Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.

 

É proibido não buscar a felicidade,
Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.”

 

Pablo Neruda