Objetivos primordiais

img1-objetivos 1 – Oferecer pela soma e multiplicação de vários caminhos uma visão da presença de Deus em nós, que não dependa dos templos ou lugares sagrados, dos livros considerados santos, dos emissários, dos intermediários, mas do desenvolvimento da nossa sensibilidade e da máxima compreensão que possamos alcançar pelo estudo, pela elevação e iluminação interior.

2 – Através de todos os meios passíveis de transmissão do conhecimento: livros, cursos, seminários, palestras, chats, rádio, TV, jornais, revistas, encontros, vivências, workshopping e debates, viabilizar o entendimento maior da Lei de Deus e de sua Técnica Funcional para que cada indivíduo pelos seus próprios recursos e conquistas evolutivas possa percorrer as sendas interiores e atingir as metas da unificação.

3 – Em um esforço coletivo, transcender as palavras, leituras, conclusões, crenças, interpretações e aprender a ler no livro da vida, nas páginas da natureza, distanciando-nos das coisas meramente humanas, elevando-nos pelas trilhas do Espírito.

4 – Tendo em mente, que o novo milênio tem como principal característica a síntese, a unificação, a universalidade e a fraternidade, passar a largo de todo sectarismo, proselitismo, lutas de grupo, do vencer, do dividir, do se afirmar, para que em um grande amplexo, os mais diferentes setores da vida humana: político, econômico, religioso, filosófico, científico, social, cultural e artístico, se entrelacem em um sistema, em um todo único, nos interligando com a Lei de Deus, com a harmonia universal e a ordem suprema.

5 – Explorar os mais valiosos tesouros íntimos, tendo em mãos um mapa integrado da psique humana, realizando uma grande aventura, dirigida determinadamente ao centro de nós mesmos, indo muito além da auto-realização, um verdadeiro processo de individuação, um transformismo evolutivo, um retorno a nossa totalidade.

6 – Desenvolver a chama da oração, da meditação, não como um processo egocêntrico, do viver pedindo ou de uma meditação como exercício imposto, do já meditado, artificial, teórico, limitado, mas uma adesão à vontade de Deus, um ato de harmonização, uma quietude, um silêncio, uma comunicação que se distancie do reconhecível, do experenciável, do observado, fluindo em um ritmo próprio e acontecendo naturalmente.

7 – Certificar-nos que a verdade essencial só será atingida pelas vias interiores, em um processo coletivo, mas de vivência pessoal, sendo que o trabalho no bem, nas expressões da generosidade, da benemerência e da caridade irá lentamente nos deslocar para planos de vidas superiores, nas dimensões em que a felicidade e a verdade ganham novos contornos, definições e vida.

8 – Levar ao reconhecimento que somente pelo AMOR realizaremos o ministério da unificação, compreendendo que o amor é a única estrada que verdadeiramente nos conduz a Deus. Entendendo, porém, por amor, todo espírito de sacrifício, renúncia, bondade, religiosidade, altruísmo, obediência, entrega, intuição...

9 – Empregar com determinação e diligência, para a concretização de todos os objetivos e finalidades da instituição, as únicas armas reais de conquista: a retidão, a bondade, o sacrifício, o amor, aprendendo, ouvindo e purificando a nossa personalidade, para que tudo se torne ascensão e transformação interior.

10 – Despertar coletivamente a luz de uma nova consciência, de uma consciência maior, permitindo que o problema do conhecimento seja resolvido pela universalidade e comunhão do eu, tornando-nos colaboradores conscientes do Supremo Senhor, possibilitando o nascimento de uma nova civilização: A Civilização do Espírito.

11 – Vivenciar com as forças do Espírito a síntese de todos os caminhos: a Ciência da Filosofia, a Filosofia da Religião e a Religião da Ciência, tendo na chama da Religiosidade Primordial, a verdadeira espiritualidade, revelando o Cristo Cósmico como patrimônio de toda humanidade e não adorno desta ou daquela religião edificada pelo homem, que julga possuí-Lo com exclusividade, isolando-O em templos particulares, em grupos humanos, em correntes diversas, mas vislumbrá-Lo e segui-Lo como o Centro da Biologia Universal do Espírito, um farol do futuro, um infinito, uma corrente de pensamento sempre presente para o governo e o despertar do Homem e do mundo.

12 – Unir Espiritismo e Espiritualidade, Razão e Intuição, Ciência e Religião, Imparcialidade e Universalidade, Individualidade e Coletividade, Oriente e Ocidente, suportando e perdoando uns aos outros, exercendo o auxílio recíproco, mantendo o vínculo da paz, e a busca incansável e inadiável da perfeição. Superando em regime de comunhão, o acúmulo psicológico, que diariamente, arquivamos em nosso campo mental, descobrindo a essência da verdadeira liberdade, abandonando os condicionamentos acumulados na experiência, reconhecendo que nada sabemos, desenvolvendo a percepção e a atenção interiores, redescobrindo o silêncio, o infinito, a eternidade, onde Deus se pronuncia e faz morada.

13 – Enfim uma instituição que tenha como propósito fundamental a libertação do Homem de suas limitações, a realização não condicionada do ser, livrando-o das suas inúmeras muletas psicológicas, tanto quanto possível, imprimindo em cada ser, o máximo de transformação suportável, sondando o mundo interior e exterior, indo muito além dos conflitos entre o nascimento e a morte, superando todo princípio de autoridade, levando-o as novas fronteiras da percepção, superando o devenir psicológico, a reforma no tempo, a dor, as respostas parciais, proporcionando-lhe a possibilidade de uma revolução da consciência, um mergulho na profundidade de si mesmo, dando nascimento a um estado pleno de criatividade.