O Perispírito – Propriedades e funções

11) - O PERISPÍRITO - PROPRIEDADES E FUNÇÕES

"Tudo é trabalho da mente no espaço e no tempo, a valer-se de milhares de formas, a fim de purificar-se e santificar-se para a Glória Divina". 

(André Luiz, Entre a Terra e o Céu, Capítulo XX, p. 128).

Zalmino Zimmermann aponta que o "Perispírito é o envoltório sutil e perene da alma, que possibilita sua interação com os meios espiritual e físico". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. I, p.23).

O termo foi utilizado inicialmente por Kardec no Livro dos Espíritos, contudo, muito antes dele, várias culturas já se referiam ao perispírito, podendo-se encontrar referências suas na Índia védica, entre os sacerdotes egípcios, na Cabala, no Budismo, entre os gregos, na tradição chinesa e outras mais.

Para Zimmermann a natureza do perispírito "varia, não só de acordo com a evolução moral da alma, como, também, com as condições da região ou do planeta em que estagia". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. I, p.29).

Zimmermann também apresenta classificação relacionada ao tema na qual elencou as propriedades do perispírito. Dentre elas poderíamos destacar inicialmente a plasticidade:

"Nesse capítulo, a propósito, impõe-se considerar que, independentemente das aquisições intelectuais, pode o Espírito mergulhar em tão severo desequilíbrio afetivo que, imerso em um monoideísmo avassalador, chega a entrar em processo de retração do campo que sustenta a própria tessitura perispiritual, comprometendo, dolorosamente, suas funções". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. II, p.33).

Em decorrência da plasticidade o perispírito se molda ao padrão vibratório da mente a qual está ligado, influenciando inclusive o próprio corpo físico do indivíduo. O perispírito acompanha o ser seja quando ele está encarnado em um corpo físico, seja quando ele está desencarnado, habitando o mundo espiritual. Em ambos os estados, o perispírito reflete a condição íntima do espírito, adaptando-se aos pensamentos e à vibração a qual está submetido.

As doenças manifestam-se no corpo físico após já pré-existirem no perispírito, impregnando-se com vibrações doentias que possibilitam o aparecimento destas patologias. Desta forma, podemos imaginar o perispírito como modelador de vibrações às quais está constantemente submetido, denunciando o estado mental do indivíduo, como ocorre no caso dos ovóides, espíritos sofredores que alteram em demasia o perispírito a ponto deste perder qualquer semelhança com a forma humana.

Aponta Zimmermann:

"Na realidade, a enfermidade só pode ser verdadeiramente entendida, à luz dos conhecimentos que dizem com o perispírito". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap XIII, p.345).

O autor defende que todas as patologias se originam em desequilíbrios dos centros vitais, e estes por sua vez, refletem as irradiações da mente. Neste enfoque, o perispírito serviria como verdadeira esponja a impregnar o corpo físico com as emanações do pensamento, gerando ou sendo a causa primaria das enfermidades.

André Luiz indica a correlação existente entre as doenças e a história do paciente:

"Quais os principais métodos usados na Espiritualidade para o tratamento das lesões do corpo espiritual?

-Na espiritualidade, os servidores da Medicina penetram, com mais segurança, na história do enfermo para estudar, com o êxito possível, os mecanismos da doença que lhe são particulares.

Aí, os exames nos tecidos psicossomáticos com aparelhos de precisão, correspondendo às inspeções instrumentais e laboratoriais em voga na Terra, podem ser enriquecidos com a ficha cármica do paciente, (...)". (André Luiz, Evolução em Dois Mundos, Segunda Parte, Cap. XIX, p.215).

Todos estes apontamentos contribuem para a conclusão de que o perispírito é matéria, embora esta se encontre em um estado diferente daquela que estamos acostumados a visualizar. Possuí densidade, variável de acordo com a evolução do Espírito, ponderabilidade, pode ser submetido a medida de peso, bem como luminosidade. 

É por meio da propriedade da penetrabilidade que os espíritos podem atravessar paredes ou qualquer barreira física. Contudo, os Espíritos desencarnados ainda muito ligados à matéria podem não conseguir ultrapassar estruturas físicas em decorrência de seu estado mental de baixo potencial vibratório, o que condiciona suas possibilidades, visto que seu perispírito está revestido de matéria mais densa. Por meio da expansibilidade, que significa a ampliação do campo de sensibilidade do perispírito, é que acontecem diversos processos de percepção mediúnica.

O perispírito, em condições de materialização, pode ser tocado, e poderíamos afirmar que ele é dotado de tangibilidade. Esta é uma das formas de manifestação dos Espíritos. O perispírito é perene, está ligado à alma e como esta, não pode ser destruído. Porém, possui característica de mutabilidade. Zimmermann afirma que:

"O perispírito, no decorrer do processo evolutivo, se não é suscetível de modificar-se no que se refere à sua substância, o é com relação à sua estrutura e forma". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap II, p.55). (Itálico do Autor).

O papel do perispírito na reencarnação é fundamental, tanto que através dele é possível se constituir todo o organismo físico que servirá de morada provisória ao Espírito reencarnante:

"Na organização do novo veículo somático (provavelmente, a partir de células-tronco), especializam-se células, tecidos, órgãos e funções, a espelharem iguais estruturas e funções do perispírito, consolidando-se, afinal, sob o influxo da energia gerada pelos seus centros de força (ou centros vitais), poderosas usinas sustentadoras do metabolismo psicossômico". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. III, p.69).

Allan Kardec na obra "A Gênese" esclarece:

"Quando o espírito tem de encarnar num corpo humano em vias de formação, um laço fluídico, que mais não é do que uma expansão do seu perispírito, o liga ao gérmen que o atrai por uma força irresistível, desde o momento da concepção. (...) Sob a influência do princípio vito-material do gérmen, o perispírito, que possui certas propriedades da matéria, se une, molécula a molécula, ao corpo em formação, donde o poder dizer-se que o Espírito, por intermédio de seu perispírito, se enraíza, de certa maneira, nesse gérmen, como uma planta na terra. Quando o gérmen chega ao seu pleno desenvolvimento, completa é a união; nasce então o ser para a vida exterior". (Allan Kardec, A Gênese, Cap. XI, Item 18, p.214).

Todo o caminho da evolução da humanidade guarda relação com a existência do perispírito, e este contribui decisivamente auxiliando o progresso do homem no seu destino. Gabriel Delanne demonstra que "O princípio espiritual evolui lentígrado, das mais ínfimas formas aos organismos mais complexos. Durante o longuíssimo período das idades geológicas, as faculdades rudimentares do Espírito desenvolveram-se sucessivamente, agindo sobre o perispírito, modificando-o e deixando nele, em cada etapa, os traços do progresso realizado". (Gabriel Delane, A Evolução Anímica, p.120)

Já observamos que a característica da mutabilidade permite ao perispírito acompanhar as transformações decorrentes da evolução da humanidade, servindo ele de intermediário entre o Espírito e o corpo físico. Se não existisse esse elo entre Espírito e matéria, que só é possível graças ao perispírito, a evolução do homem estaria prejudicada, em razão de que o princípio espiritual não teria como agir sobre o corpo físico, e a consciência estaria privada das experiências necessárias à sua evolução:

"O trabalho dos milênios, construindo a consciência individual, sustenta também, logicamente, o aperfeiçoamento dos necessários instrumentos à sua manifestação, nos diferentes momentos evolutivos. Assim, as protoformas perispirituais, mercê da ação espiritual superior junto aos seres em evolução, passam, gradativamente, a apresentar características e propriedades que refletem os avanços alcançados, propiciando a formação de estruturas físicas, anatômica e fisiologicamente cada vez mais aprimoradas". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap.IX, p.261). ( Itálico do Autor).

Vários outros processos ligados ao desenvolvimento humano são possíveis graças ao perispírito. A memória é um deles, e ela advém tanto de experiências desta vida, quanto de outras encarnações:

"De feito, a fisiologia do cérebro físico espelha, rigorosamente, a do cérebro espiritual, que se projeta inteiro no perispírito; os circuitos neuroniais que servem ao processo mnemônico correspondem aos respectivos circuitos espirituais (semimaterializados no perispírito), que lhes servem de suporte, e que possibilitam, em ritmo bidimensional, o arquivamento e a recuperação de todas as experiências vividas". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. x, p.275). (Itálico do autor). (Negritos nossos).

A mediunidade, por sua vez, também é possibilitada pelas propriedades do perispírito. Para Zimmermann o tema se apresenta da seguinte forma:

"(...) em se tratando de mediunidade no plano material - a faculdade mediúnica não é, a rigor, do corpo (ainda que condicionada a possibilidades nervosas que se elaboram na morfogênese, sob o impulso perispiritual do reencarnante), porém, do Espírito (...). E finalmente que, por suas condições - pois já se trata de uma estrutura de natureza mais próxima da matéria - o perispírito é o fator de contato e comunicação entre os mundos espiritual e físico. (Assim, substancialmente, se quase sempre o processo mediúnico ocorre, mente a mente, o perispírito é o instrumento - tanto do comunicante, como do médium)". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. XI, p.293).

Grande parte dos fenômenos mediúnicos ocorre devido à expansibilidade do perispírito, que permite a ampliação da sensibilidade do médium e o intercâmbio entre as almas desencarnadas e o plano físico.

No campo das obsessões, o perispírito também é utilizado como mecanismo de ação, podendo-se através dele entender como funciona este fenômeno. Nas mais variadas expressões obsessivas caracterizadas pela influenciação entre almas, sejam elas encarnadas ou desencarnadas, o intercâmbio se verifica em decorrência da proximidade da natureza da vibração dos indivíduos, que se utilizam do perispírito para estabelecerem o contato nocivo:

"A justaposição do agente ao paciente pode se verificar de tal forma, que os perispíritos parecem se interpenetrar, como a configurar uma quase fusão entre eles.

Esse processo, que, pela persistência dessa interpenetração psicossômica, pode ser chamado de Soldadura Perispiríticaacontece sob o comando magnético de terceiros - Espíritos treinados em tais perversidades -, ou por ação natural do próprio obsessor.

No primeiro caso, almas em desequilíbrio - inconscientes, até, do que ocorre, catalogando-se, entre elas, particularmente, as submetidas aos efeitos do monodeísmo - são magneticamente jungidas aos perispíritos das vítimas, provocando-lhes os mais graves desajustes psíquicos, responsáveis pelo surgimento dos numerosos distúrbios elencados em psicopatologia.

No segundo, a atitude mental vingativa do próprio obsessor, fechado em seu ódio contra o obsidiado - ontem, normalmente, seu cruel algoz -, leva-o a unir-se de tal maneira a este, que os perispíritos parecem como que soldados entre si". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. XIV, p.409). (Itálicos do Autor). (Negritos nossos).

A influenciação obsessiva pode se desdobrar sob várias formas, e freqüentemente utiliza-se o perispírito como seu instrumento. Zimmermann explica como ocorre a infecção por formas-pensamentos:

"Formas-pensamentos com tal poder de dano não se confundem com as formas mentais comumente produzidas por encarnados e desencarnados (ainda que com nefastas intenções). São produto de inteligências treinadas, quase sempre cultivadas, do ponto de vista intelectual, mas tristemente descuidadas de sua evolução moral, cujas criações malignas são marcadas por especial intensidade e persistência". (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. XIV, p.410).

A extensão das possibilidades do perispírito é tão vasta que os espíritos podem promover a revitalização perispiritual ou rejuvenescimento:

"De fato, um dos mais extraordinários fenômenos, dos revelados pela Espiritualidade, diz com a revitalização perispiritual, que só ocorrer para acelerar a recuperação da saúde diante da uma enfermidade mais pertinaz ou, até, para prolongar a vida física de um Espírito encarnado, cuja carga vital (armazenada, principalmente, ao que se deduz, no duplo etérico) já se encontra em via de exaurimento.

Nessas oportunidades, quando há o necessário crédito espiritual, o psicossoma é rejuvenescido magneticamente (...), aumentando decisivamente o tônus vibratório de toda organização psicofísica." (Zalmino Zimmermann, Perispírito, Cap. XV, p.457). (Itálicos do Autor).

Diante das propriedades demonstradas do perispírito, pode-se verificar a existência de um extenso intercâmbio entre os planos físico e espiritual, permeado pelas formas e energias de encarnados e desencarnados, que permitem o surgimento de incontáveis relações entre eles.

O estudo da natureza do perispírito revela estas possibilidades, abrindo caminhos para a compreensão de como se processa a evolução, através de um constante trabalho das almas com a matéria, visando à expansão da consciência e ao desligamento das formas primitivas de pensamento, até que este atinja os verdadeiros princípios do amor em Cristo.

Download completo do conteúdo